RH Presence

07/06/2010

Gestão do Absenteísmo

Filed under: Sem categoria — rhpresence @ 20:01

O que é o Absenteísmo?

O termo absenteísmo ou absentismo é usado para designar a ausência ao trabalho por qualquer razão: doenças, acidentes de trabalho, direitos legais (doação e sangue, licença maternidade, etc.), fatores sociais (doença de parentes, por exemplo), fatores culturais extra ou intra-empresariais (emendar feriados, copa do mundo, feriados religiosos não oficiais, legalização de uma falta gerada por outra motivação não relacionada à saúde, etc.).

Por outro lado, o absenteísmo pode estar demonstrando uma rejeição ao trabalho, insatisfação com o salário, com as políticas da empresa, com as condições de trabalho e ainda pode estar diretamente ligado a problemas de ordem social, financeira ou emocional.

O principal passo a ser dado é descobrir o porquê dos funcionários estarem com um índice elevado de faltas ou atrasos. Nesse momento, vale investigar tudo. Às vezes, o colaborador mudou o trajeto até a empresa e agora precisa de mais uns cinco minutos para chegar ao local ou está passando por um problema de saúde, por isso os muitos atestados.

Enfim, nessa hora deve-se analisar todos os pontos para entender os motivos de tantos atrasos e faltas. As causas mais comuns para os colaboradores se ausentarem do trabalho são problemas de saúde, busca de um novo emprego, desmotivação e, principalmente, insatisfação.

Descobertos os reais motivos das faltas e atrasos, vale uma conversa com o colaborador para que, juntos, possam resolver a questão. É necessária uma flexibilidade por parte da empresa também, pois, às vezes, o problema começa dentro do ambiente de trabalho. O líder pode evitar o absenteísmo motivando a equipe, trabalhando questões comportamentais e, principalmente, melhorando processos internos.

Consequencias do Absenteísmo

O absenteísmo ocasiona não só custos diretos, mas também indiretos representados pela diminuição da produtividade, aumento do custo da produção, desorganização das atividades, redução da qualidade do produto/serviço, diminuição da eficiência no trabalho, problemas administrativos, limitação de desempenho e até mesmo obstáculos para os gestores.

Mesmo que o profissional chegue atrasado e consiga fazer suas atividades, a companhia pode sair no prejuízo. Afinal, ela paga uma carga de trabalho que não vem sendo cumprida. É por isso que deve existir confiança e clareza com todos da equipe.

Por isso, é necessário que o líder e a equipe tenham uma relação de transparência, que, caso não exista, só tende a aumentar o absenteísmo.

O artigo 473 da CLT determina que o trabalhador pode faltar ao serviço sem desconto de salário em casos de:

- falecimento do cônjuge, pai, mãe, filhos, irmão ou pessoa que viva sob sua dependência econômica (quando declarada na CTPS) – até dois dias consecutivos;

- casamento – até três dias consecutivos;

- licença-paternidade – até cinco dias consecutivos;

- doação voluntária de sangue, devidamente comprovada – 1 dia por ano.

Como evitar o Absenteísmo

As organizações bem-sucedidas estão incentivando a presença e desestimulando as ausências ao trabalho através de praticas gerenciais e culturais que privilegiam a participação, ao mesmo tempo em que desenvolvem atitudes, valores e objetivos dos funcionários favoráveis a participação. Gerando assim maior satisfação da parte dos funcionários.

Existem alternativas que podem ser aplicadas por qualquer organização, independentemente do segmento ou tamanho. Dentre essas se destacam: integração, transparência e mapeamentos sistemáticos; estimular a educação em todos os níveis.

Para dar conta das suas responsabilidades, as pessoas enfrentam um ritmo cada vez mais acelerado, e isso já não é apenas percebido nas regiões metropolitanas. Essa realidade que leva muitos indivíduos ao estresse não é restrita apenas à vida pessoas e há um bom tempo faz parte da rotina das empresas. Por isso, os programas voltados para a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) são cada vez mais comuns.

Ao realizar uma contratação, no mínimo, uma empresa espera que aquele profissional atenda ás suas expectativas e consiga atingir ou superar metas. A realidade mostra que nem sempre o funcionário está presente no seu posto de trabalho, ou seja, ele se ausenta pelos mais variados motivos: atrasos, problemas pessoais, doenças que resultam em licenças médicas, condições inadequadas do ambiente de trabalho, falta de motivação, entre outros.

O fato é que o absenteísmo provoca problemas como desorganização das atividades, queda na qualidade dos serviços prestados, limitação de desempenho e até mesmo obstáculos para os gestores.

O Absenteísmo tem solução

A educação, portanto, é essencial neste processo. Segundo: devem mapear ferramentas, processos e interações. Finalmente, precisam estar alinhados com as estratégias que realmente trazem vantagem competitiva. Entre elas a racionalidade das analises, clima, contexto e ações produtivas. Educar pessoas não é alfabetizá-las em uma linguagem ou técnica, mas civilizá-las, dotá-las de sentido ético. Inseri-las no contexto global da entidade e não apenas em seu departamento. Uma maneira alternativa com impactos positivos no médio prazo seria construir comunidades dentro da empresa que se relacionam vertical e horizontalmente.

Quais são as principais ações que podem ser consideradas profiláticas em relação ao absenteísmo?

Integração, transparência e mapeamentos sistemáticos. Todos falam de sistemas de gestão da qualidade ou conhecimento, mas poucos os aplicam convenientemente.

Quais são os principais erros que as empresas cometem ao lidarem com o absenteísmo?

Não pensar que o mal é endêmico, mas localizado na pessoa. Pode-se desenvolver uma vacina, mas somente se conseguirmos manipular o vetor de transmissão. Nada adianta forçar produtividade se o computador é velho, o filho está doente ou a cadeira está quebrada.

Por que as organizações ainda comentem esses mesmos erros?

Por habito, superstições locais e também porque perderam o efeito capilaridade, não mais conseguindo as diretrizes e as informações atingir a organização como um todo. Não se trata de como as organizações erram, mas por qual bússola orientam-se.

Quais os principais cuidados que as organizações devem ter ao “combaterem” o absenteísmo?

Resultados sustentáveis vêm de estratégias consistentes e devem alinhar, ao menos, três fatores-realização: retorno, inovação e sustentabilidade. O primeiro é o óbvio: organizações necessitam lucrar. O Segundo permite obter resultados com melhores custos e isto quer dizer sobrevivência; para isso é preciso suporte o empreendedor interno e aprender com erros. O terceiro significa produzir sem destruir; liderar sem coerção ou desrespeito e recompensar sempre o mérito.

Como calcular o índice de absenteísmo na organização

Realizado esse cálculo, podemos emitir relatórios mensais de faltas e de causas. Essas informações são analisadas com o líder do setor e cada departamento fica responsável por verificar o desempenho de seus colaboradores. Índices de faltas acima de 10% já são preocupantes. Se os indicadores mostram altos índices de absenteísmo em algum setor ou função, é preciso agir imediatamente, identificando o problema e implementando soluções para contê-lo.

Eles conseguiram

Algumas instituições já diminuíram significativamente sua taxa de absenteísmo. Joanita Plombon, supervisora de RH do Herbarium Laboratório Botânico, de Colombo, PR, contou-nos que a cultura da empresa é ter funcionários comprometidos. Por isso, o sistema desenvolvido há sete anos para resolver o absenteísmo é rígido: cada pessoa tem uma meta individual e o grupo todo só pode ter 2% de faltas, que devem ser utilizadas para atender às necessidades de cada um. “O controle é feito através de um sistema de folha de pagamento, onde mensalmente é emitido um relatório individual que mostra quantas horas a pessoa trabalhou e chegou atrasada”, explica.

A preocupação com a falta dos funcionários também é constante no Hospital Santa Cruz, de Curitiba, PR, segundo Chrystian Renan Barcelos, gerente de pessoas e processos. Com 680 colaboradores, o hospital conseguiu diminuir em 10% sua taxa de absenteísmo através de algumas mudanças na empresa. “Nossos critérios de promoção levam em conta essa questão de ausências. A pessoa com menor índice de faltas e atrasos tem preferência para ser promovida ou assumir um cargo de liderança”, afirma. O hospital também oferece curso de inglês com subsídio de parte da mensalidade, mas somente para quem não ultrapassar o limite de faltas.

Agora você entende que essa “doença” realmente tem cura? Se nos dois exemplos apresentados foi possível diminuir a taxa de absenteísmo, você pode fazer o mesmo. Não trate esse assunto como outro qualquer, caso contrário, faltas e atrasos podem virar moda na sua empresa.

About these ads

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O tema Rubric. Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: